terça-feira, 29 de abril de 2014

Primeiro rodoviários e agora usuários que fecham a BR-101, em Campos

Na manhã desta terça-feira a pista foi interditada pelos rodoviários em greve
 Vagner Basilio

Na manhã desta terça-feira a pista foi interditada pelos rodoviários em greve

Insatisfeitos com a falta de transporte público, problema que assola a cidade de Campos desde a zero hora de sábado (26/04), e cobrança abusiva por parte das vans permissionadas, moradores do bairro Aeroporto promoveram mais uma manifestação, o que se tornou rotina no local, e fecharam no final da tarde desta terça-feira (29/04), a BR-101, agora no km 56. Motoristas tiveram que esperar cerca de duas horas pelo fim do protesto.
Em atos anteriores, moradores de bairros próximos como Lagoa das Pedras e Jardim Aeroporto, fecharam a rodovia alegando problemas em escola municipal, água nas ruas do bairro, após uma forte chuva que atingiu a cidade no último final de semana e ainda por falta de energia elétrica. Agora, a ação foi como forma de protestar a falta do transporte público, o que está sendo causado na cidade devido a greve dos rodoviários, que ainda não tem previsão de se encerrar. O Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT) informou que a fiscalização das vans foi intensificada, para coibir a cobrança abusiva do preço da passagem. 
Além da falta de coletivos, o preço abusivo cobrado pelos motoristas do transporte alternativo (vans), que segundo moradores cobram R$5 até o Centro do município e a falta de ambulâncias, há mais de quatro meses também foram motivos de protesto na rodovia.
"Desde que começou a greve estamos sem ônibus. As vans estão cobrando R$ 5 no valor da passagem daqui para o Centro", disse a faxineira Karla Brandão, de 24 anos.
De acordo com manifestantes, quando precisam das ambulâncias acionam o posto de saúde de Lagoa das Pedras, local mais próximo dos moradores.
Manifestantes exaltados fecharam a BR-101 colocando fogo em entulhos e galhos, provocando um engarrafamento de quatro quilômetros, nos dois sentidos da rodovia. A Polícia Militar foi acionada após receber denúncias de que um grupo estaria cobrando pedágio aos motoristas no valor de R$10, nas ruas paralelas à rodovia e roubando pertences como, por exemplo, celulares e relógios. Assim que polícia chegou ao local da manifestação, o grupo se dispersou. Ninguém foi detido.
A equipe do Site Ururau entrou em contato com a Secretaria de Comunicação de Campos, disse, por meio de nota, que "O presidente do Instituto Municipal de Trânsito e Transporte (IMTT), Álvaro Oliveira, informou que a fiscalização das vans foi intensificada, para coibir a cobrança abusiva do preço da passagem. Ele ressaltou que os passageiros também podem denunciar a irregularidade ao IMTT, através dos telefones 2733-3748 e 2733-2444". A rodovia foi liberada por volta das 19h.









No mesmo local, na manhã desta terça-feira, foram os rodoviários que promoveram a manifestação no km 54, próximo ao Aeroporto Bartolomeu Lisandro.
Durante o ato, dois moradores locais, foram detidos e levados para a 146ª Delegacia Legal de Guarus, para prestar esclarecimentos. De acordo com policiais militares do Serviço Reservado (P2), os homens estariam cobrando uma espécie de pedágio para deixar os moradores passarem pela barreira colocada pelos manifestantes.
NA RJ-216Também insatisfeitos, moradores de Campos Limpo, na Baixada Campista, bloquearam a RJ-216 atendo fogo em pneus. Segundo policiais do Batalhão de Polícia Rodoviária (BPRv), eles reivindicam o fim da greve dos rodoviários. 
Como alguns motoristas começaram a desviar o trânsito para São Sebastião, manifestantes também fecharam o rodovia estadual na altura da localidade, por volta das 19h. 
Fonte: Ururau

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário