sábado, 27 de dezembro de 2014

Rio de Janeiro contrata auditoria e estuda premiar empresas eficientes

Companhias de ônibus que reduzirem custos podem ter uma remuneração maior.
Ônibus no Rio de Janeiro. Prefeitura contrata empresas de auditoria e deve mudar modelo de remuneração dos transportes.
Ônibus no Rio de Janeiro. Prefeitura contrata empresas de auditoria e deve mudar modelo de remuneração dos transportes. Foto: Erik Ferreira.                                                                                                       
O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, declarou nesta quinta-feira, 18 de janeiro de 2014, que estuda mudar a remuneração das empresas de ônibus.
Para isso, a cidade já contratou duas empresas que vão auditar os custos de operação dos consórcios que reúnem as viações.
Segundo Eduardo Paes, no Conselho da Cidade, é necessário atualizar os valores de custos e lucro das empresas.
Uma das propostas é criar mecanismos que punam as empresas por maus serviços, mas outros mecanismos que “premiem” as viações que conseguem operar melhor. Uma das vantagens estudadas é aumentar a remuneração das empresas que conseguirem reduzir custos sem comprometer a qualidade e o cumprimento do número de partidas.
Em outubro de 2015, os contratos das empresas de ônibus devem ser revistos.
“Há problemas estruturais no nosso modelo de transporte. A gente acaba fazendo a conta da tarifa pelas despesas da empresa. Ao remunerá-las pelo custo, o modelo implementado no Brasil não força as empresas a reduzir custos. Tem empresa que é bem gerenciada, mas tem empresa que vai mal. Então, o povo paga o custo da que é mal gerenciada. Nessa revisão tarifária de outubro, queremos avançar para que a eficiência do concessionário possa ser remunerada”, disse Paes, durante reunião do Conselho da Cidade, segundo a Agência Brasil.
Paes disse que no início de janeiro, haverá aumento nas tarifas de ônibus municipais ainda seguindo a atual planilha de custos. O prefeito não adiantou o valor das passagens.

Fonte: Blog Ônibus Brasil
Reações:

0 comentários:

Postar um comentário